Tem início as obras de escoamento da MG 129 após reunião de Tito Torres e Allaim Gomes com o diretor do DER MG

Demanda antiga da comunidade do bairro Chapada, em Itabira, as obras de escoamento de água na pista da MG 129 foram iniciadas nesta segunda-feira (01/04). O Departamento de Estradas e Rodagens em Minas (DER/MG) atendeu as reivindicações apresentadas durante reunião entre o deputado Tito Torres, o vereador Allaim Gomes e o diretor-geral do DER MG, Fabrício Sampaio, realizada no último dia 27/3.

Constantemente, os moradores da região e os usuários da via, que liga Itabira ao trevo da BR-381, sofrem com alagamentos na estrada. Com os trabalhos iniciados nessa segunda-feira, a expectativa é que esse problema seja solucionado em 15 dias. “Por intermédio de Tito Torres conseguimos viabilizar esse encontro no DER e o diretor Fabrício se prontificou a priorizar a obra do escoamento da água e o nivelamento da pista no final da Reta do Bamba. Esse último é mais complexo e precisa de um projeto que já está sendo feito”, explica o vereador Allaim Gomes.

Além dessas, foram feitas outras reivindicações como a conclusão das obras no Trevo do Itabiruçu e reparos em todo o trecho até o trevo da BR-381.

Fonte: titotorres.com.br

Governador garante licenças-maternidade iguais para mães adotivas e biológicas

A partir de agora, toda servidora do Estado de Minas Gerais que adotar uma criança terá os mesmos direitos legais de uma gestante. O parecer jurídico da Advocacia-Geral do Estado (AGE/CJ), foi aprovado pelo governador Romeu Zema e publicado no Diário Oficial, no dia 14 de março último.

Segundo a procuradora da AGE Ana Paula Mugler, o governador, Romeu Zema, teve a sensibilidade de dar o mesmo tratamento e isonomia para servidoras que são mães adotivas, que, até então, não podiam ficar com seus filhos pelo mesmo tempo que uma gestante. A decisão vale também para as servidoras que conseguirem a guarda judicial para fins de adoção.

Até a aprovação feita pelo governador, as funcionárias públicas, mães adotivas, tinham direito a licença-maternidade diferenciada, de acordo com a idade da criança adotada.

Se o bebê tivesse até um ano, a mãe adotiva teria direito aos 120 dias em casa para cuidar do bebê. Se a criança adotada tivesse de 1 a 4 anos, esse tempo era reduzido para 60 dias e, se a idade fosse entre 4 e 8 anos, a servidora teria apens 30 dias de licença maternidade. A partir de agora, todas terão direito a 120 dias de licença-maternidade, podendo esse prazo ser prorrogado por até, no máximo, outros 60 dias, após a adoção, independentemente da idade da criança adotada.

A decisão, segundo a procuradora Ana Paula Mugler, vale para todas as servidoras públicas que atuam na administração direta, em autarquias ou fundações. Na opinião da procuradora, além de demonstrar sensibilidade pela questão das servidoras mães adotivas, a decisão do governador pode também estimular a prática de adoção.

Fonte: Agência Minas

Mauri Torres é o novo presidente do Tribunal de Contas de Minas Gerais

O conselheiro Mauri José Torres Duarte assumiu, na noite da última segunda-feira (18/2/2019), a Presidência do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCEMG) em sessão solene, que contou com a presença de inúmeras autoridades. Em seu discurso de posse, Mauri Torres explicou que sua gestão será pautada em dois pilares: a efetividade do controle interno do jurisdicionado (órgãos e entidades fiscalizadas pelo Tribunal) e a eficácia no acompanhamento das receitas públicas. Para isso, ele defendeu um “Tribunal democrático, aberto e que seja uma extensão da gestão de seus jurisdicionados”. Tomaram posse ainda o vice-presidente José Alves Viana e o corregedor Gilberto Diniz.

O novo presidente explicou que irá investir na atuação pedagógica do Tribunal e disse que as ações de controle serão nesse sentido, não descartando a ação punitiva, caso seja necessária. Torres também deu as boas-vindas aos novos servidores que ingressaram no Tribunal neste mês. “Eles irão trazer sabedoria e oxigenar a Casa”, comemorou.

Em seu discurso, o governador Romeu Zema disse que estava representando o povo mineiro na cerimônia e enfatizou “a importância do Tribunal de Contas para dar transparência aos atos do governo”.

O conselheiro Cláudio Terrão se despediu da presidência do TCEMG defendendo uma gestão fiscal responsável. “Os tribunais de contas são instituições fundamentais para a defesa do Estado Democrático de Direito”. Ele disse que sua gestão foi um período de “muitos aprendizados e muitas conquistas” na proposta de sair de um controle de conformidade para um interativo e colaborativo.

Hamilton Coelho falou em nome dos conselheiros substitutos. Segundo ele, o novo presidente Mauri Torres sempre “transpareceu uma conduta cortês” e “trilhou o seu caminho com superação”. Ele afirmou que a experiência de vida de Mauri somada ao tempo de administração pública, o tornam capaz de assumir o cargo com excelência. Hamilton classificou que a gestão de Terrão foi “assentada na transparência e no desenvolvimento da Educação” e que ele deixa a Presidência de “alma leve”.

A procuradora-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas de Minas Gerais (MPCMG), Elke Andrade disse que o novo presidente tem uma “singular experiência de vida pública, serenidade e equilíbrio, indispensáveis para a tomada de decisão”. Ela também reafirmou o compromisso e a parceria do MPCMG com o Tribunal e desejou pleno êxito da nova gestão.

Compuseram a mesa de honra, além do Governador Romeu Zema; o conselheiro Cláudio Terrão, que transmitiu a presidência do TCEMG; o vice-governador do Estado, Paulo Brant; o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Agostinho Patrus; o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Nelson Missias; o primeiro vice-presidente do Senado Federal, Antonio Anastasia; o procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet; o ex-governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho; o defensor público-geral, Gério Patrocínio Soares; a procuradora-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas de Minas Gerais (MPCMG), Elke Andrade Soares de Moura; o presidente do Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais, juiz James Ferreira Santos; o deputado federal Rodrigo Castro, representando a Câmara dos Deputados; e o comandante da Quarta Região Militar, General de Divisão do Exército, Henrique Martins Nolasco Sobrinho.

A solenidade contou, ainda, com a presença do conselheiro decano do TCEMG, Wanderley Ávila; o conselheiro Sebastião Helvecio Ramos De Castro, representando o Instituto Rui Barbosa (IRB) como vice-presidente de Relações Institucionais do Instituto; e o conselheiro mais novo em atividade no TCE, Durval Ângelo. Também estavam na cerimônia os conselheiros substitutos Licurgo Mourão, Adonias Monteiro e Victor Meyer; o subprocurador-geral do MPCMG, Marcilio Barenco Correa de Mello; e os procuradores Maria Cecília Borges, Glaydson Santo Soprani Massaria, Sara Meinberg Schmidt de Andrade Duarte, Cristina Melo e Daniel de Carvalho Guimarães.

O senador Rodrigo Pacheco; o vice-presidente de Desenvolvimento do Controle Externo da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas (Atricon), conselheiro ouvidor do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES), Sebastião Carlos Ranna De Macedo; e o segundo vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande Do Sul (TCE-RS), conselheiro Cezar Miola também prestigiaram o evento.


Histórico      

Mauri Torres foi nomeado conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais em 14 de julho de 2011 e tomou posse em 31 de agosto. Ele passou a ocupar a vaga deixada pelo conselheiro Elmo Braz, que se aposentou em maio daquele ano.

Mauri Torres nasceu no dia 29 de abril de 1950. É natural da cidade paulista de Guararema e exerceu seis mandatos consecutivos na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, da qual foi presidente por dois mandatos, entre 2003 e 2007. É casado e pai de quatro filhos: Ariana, Teodoro, Teófilo e Tito.

Texto: Karina Camargos Coutinho
Fotos: Sinval Dias

 

 

Termina hoje prazo para justificar ausência no 2º turno

Eleitores que não votaram no segundo turno das eleições este ano têm até hoje (27) para regularizar a situação eleitoral. A obrigatoriedade do voto para cidadãos brasileiros entre 18 e 69 anos está prevista na Constituição Federal de 1988. O não comparecimento injustificado no dia da eleição, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é irregularidade punível com multa.

A quitação com as obrigações eleitorais é necessária para, por exemplo, tomar posse em cargo público, fazer matrículas em instituições de ensino superior e, no caso de servidor público, receber o salário. Além disso, após três ocorrências consecutivas, a ausência do eleitor nas urnas acarreta o cancelamento de seu título eleitoral.

Como Justificar

A justificativa, segundo o TSE, pode ser feita mediante o preenchimento de formulário, obtido gratuitamente nos cartórios eleitorais, nos postos de atendimento ao eleitor e no site do TSE e dos TREs. Outra opção para justificar a ausência é pela internet, por meio do Sistema Justifica, também disponível nas páginas do TSE e dos TREs.

No primeiro caso, o eleitor deve entregar o documento pessoalmente em qualquer cartório eleitoral ou enviar por via postal ao juiz da zona eleitoral na qual é inscrito. Além do formulário, o eleitor deve entregar documentação que comprove a impossibilidade de comparecimento no dia do primeiro turno da eleição.

Se utilizar o Sistema Justifica, o eleitor deverá preencher um formulário online para informar seus dados pessoais, declarar o motivo da ausência e anexar comprovante do impedimento para votar. O cidadão vai receber um protocolo para acompanhar o andamento do requerimento, que será encaminhado para exame pelo juiz competente. Se acolhida a justificativa, o eleitor será notificado da decisão.

Eleitores no exterior

O eleitor inscrito em zona eleitoral no exterior, ausente do seu domicílio eleitoral na data da eleição ou que não tenha votado, também precisa justificar o não comparecimento nas urnas na eleição presidencial.

Neste caso, o requerimento deve estar acompanhado de cópia de documento oficial brasileiro de identidade e de comprovante dos motivos alegados para justificar a ausência. O requerimento deve ser enviado diretamente ao juiz da Zona Eleitoral do Exterior. A justificativa também pode ser entregue nas missões diplomáticas ou repartições consulares localizadas no país em que o eleitor estiver. Também pode ser enviada pelo Sistema Justifica.

Já o cidadão brasileiro que estiver no exterior no dia do pleito tem até 30 dias, contados de seu retorno ao Brasil, para justificar a ausência no cartório eleitoral ou pela internet.

Consequências

De acordo com o TSE, quem que não votar em três eleições consecutivas – com cada turno correspondendo a uma eleição – e não justificar a ausência nem quitar a multa devida terá o registro do título eleitoral cancelado e ficará impedido de obter passaporte ou carteira de identidade, receber salários de função ou emprego público e obter alguns tipos de empréstimos.

Além disso, o eleitor não poderá ser investido e nomeado em concurso público, nem renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo, nem obter certidão de quitação eleitoral ou qualquer documento perante repartições diplomáticas a que estiver subordinado.

A regra só não se aplica aos eleitores cujo voto é facultativo (analfabetos, maiores de 16 e menores de 18 anos e maiores de 70 anos) e a pessoas com deficiência física ou mental que torne impossível ou que dificulte o cumprimento das obrigações eleitorais.

Fonte: Agência Brasil

Prefeitos de MG administram saúde com verba 83% menor

Cortes orçamentários, serviços não habilitados por falta de verbas e atrasos na liberação de recursos por parte do governo do Estado estão deixando prefeituras a um passo do colapso no atendimento de saúde. Com mais de R$ 4 bilhões do governo de Minas em atraso só na saúde, segundo levantamento do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-MG), os municípios mineiros enfrentam dificuldades no pagamento de médicos, fornecedores e prestadores de serviços. Com isso, os gestores têm que administrar com verbas 83,3% menores do que as previstas para o Orçamento deste ano, aprovado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Segundo o secretário adjunto de Estado de Saúde, Daniel Guimarães Medrado de Castro, a dívida com fornecedores chega a R$ 800 milhões, sendo que R$ 253 milhões desse montante se referem a medicamentos. “A gente tem que usar a criatividade. Temos atuado para não faltar medicamento, mas acontece. Porém, embora não tenha a entrega de determinados medicamentos de fornecedores, não chegamos a uma situação de desabastecimento”, disse.

Os números do relatório do Sistema Único de Saúde (SUS) foram apresentados nesta semana, na Assembleia, em audiência pública. De acordo com Medrado, a área teria que receber R$ 600 milhões por mês, porém a média tem sido bem inferior: só 16,6% dos recursos esperados estariam sendo repassados.

Em setembro, conforme o secretário, foi firmado um acordo, perante a Câmara de Conciliação, Mediação e Cidadania do Tribunal de Justiça de Minas, em que a Secretaria de Estado de Fazenda (SEF-MG) se comprometeu a repassar à Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), mensalmente, o valor de R$ 100 milhões. “Esse repasse varia mês a mês. Estamos priorizando serviços essenciais, aqueles medicamentos mais essenciais para a população, além da rede de urgência e emergência”, afirmou.


Caos

Segundo o vice-presidente do Cosems-MG, Hermógenes Vaneli, o SUS em Minas pode parar no próximo ano por falta de dinheiro. Segundo ele, cirurgias eletivas já estão suspensas na maioria das cidades, os serviços de urgência e emergência são realizados com a intervenção dos prefeitos, e o desmonte dos serviços está se acelerando: “Estamos assistindo a uma tragédia anunciada”.

 

Só metade dos leitos funciona no Sofia

Com metade dos leitos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal fechada, o Hospital Sofia Feldman pode ficar sem outros sete nos próximos dias. De acordo com a gestora da linha de políticas institucionais do hospital, Tatiana Coelho, até este sábado (8) a instituição deve receber R$ 3 milhões de adiantamento da prefeitura. O Estado também repassou R$ 2 milhões para impedir que a situação se agrave.

“Se não fosse isso, todos os leitos estariam fechados em janeiro. Vamos pagar os salários de setembro e outubro. Mas, para que a situação não se agrave, precisamos que o Ministério da Saúde repasse a mais R$ 1,5 milhão mensais. É a promessa que foi feita em 2017 e não foi cumprida”, disse.

Em nota, o ministério informou que mantém repasses e diálogo com o município. O Estado disse que enfrenta um severo déficit financeiro, mas está se esforçando para honrar os compromissos. Já a Secretaria Municipal de Saúde disse que aporta recursos adicionais de até R$ 500 mil por mês.

 

Fhemig acumula dívida de R$ 121 mi com fornecedores

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) acumula uma dívida de R$ 121 milhões com fornecedores. Segundo a assessora de Planejamento, Gestão e Finanças da instituição, Karina Nicoli Ribeiro, os atrasos dos pagamentos têm piorado nos últimos dois anos.

“Não há regularidade nos repasses. Cada mês é um valor. Nós temos atendido as pessoas, e não há desabastecimento em relação ao fornecimento de medicamentos. O que acontece é que um paciente pode ocupar por mais tempo um leito do que o necessário, porque, às vezes, ele está à espera de um medicamento que vem de alguma outra unidade”, disse.

“Além disso, não é possível realizar os investimentos e as reformas em hospitais antigos previstos pela Vigilância Sanitária”, completou.


Calamidade


Posicionamento. 

A Secretária de Estado de Fazenda não se manifestou. Já a Saúde ressaltou a situação de calamidade financeira de Minas e reafirmou o compromisso de diálogo com os fornecedores.

Hemominas

Segundo a presidente da Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Minas Gerais (Hemominas), Júnia Guimarães Mourão Cioffi, há um déficit de R$ 23 milhões, mas ainda não houve registro de falta de insumo.


Funed

Responsável pela produção de vacinas, de medicamentos e pesquisas científicas no Estado, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) teve realizado apenas 24,5% do Orçamento autorizado, segundo a chefe da unidade de gestão estratégica da fundação, Luciana Morais. No entanto, de acordo com ela, apesar da redução de recursos, a instituição alcançou a produção de 9 milhões de vacinas e realizou 50 mil exames, especialmente para o monitoramento de agrotóxicos.

Fonte: O Tempo

Prefeitura de João Monlevade inscreve 886 pessoas para Processo Seletivo de Ajudante Geral

Prefeitura de João Monlevade, por meio das Secretarias de Obras, Serviços Urbanos e Meio Ambiente, inscreveu 886 pessoas para o processo seletivo que oferece 30 vagas de ajudante geral. As inscrições ocorreram de segunda a sexta-feira da semana passada, no prédio da Secretaria de Educação, em Carneirinhos.

A comissão especial desse processo irá analisar a documentação dos candidatos a partir de hoje, dia 3. O resultado preliminar está previsto para 12 de dezembro. Após o período de recursos, o resultado parcial será divulgado em 21 de dezembro. Os 200 primeiros classificados na fase de inscrição e experiência comprovada serão convocados para um teste prático, que ocorrerá de 3 a 10 de janeiro de 2019. O resultado preliminar dessa fase está previsto para 17 de janeiro.

O resultado final do processo será divulgado em 31 de janeiro, na sede da Prefeitura Municipal e na Secretaria de Obras e, ainda, disponibilizado no site da prefeitura www.pmjm.mg.gov.br.

Os candidatos aprovados no processo seletivo serão convocados, pela ordem de classificação, de acordo com a necessidade da Administração. O contrato será para 40h/semanais, com remuneração de R$ 1.010,02. O contrato será de 6 meses, podendo ser prorrogado por igual período. Os contratados atuarão junto às Secretarias de Obras, Serviços Urbanos ou Meio Ambiente.

Fonte: PMJM

Sebrae destaca Simone Moreira como prefeita empreendedora de Minas Gerais

A prefeita de João Monlevade, Simone Carvalho Moreira, está entre os 30 prefeitos de Minas Gerais que mais investem e ajudam a reforçar a economia local. A informação é do Sebrae/MG, que na próxima terça-feira, dia 13, irá entregar o “Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Juscelino Kubitscheck” aos prefeitos que se destacaram nessa área. A solenidade irá acontecer em Belo Horizonte.

O Sebrae busca reconhecer a capacidade administrativa dos gestores públicos que tenham implantado projetos com resultados comprovados de estímulo ao surgimento e ao desenvolvimento de pequenos negócios e à modernização da gestão pública.

Profissionais do Sebrae estiveram realizando amplos levantamentos junto a vários setores da sociedade, envolvendo centenas de municípios mineiros. Estes levantamentos levaram em conta diversos fatores, inclusive a valorização do comércio, da indústria e dos prestadores de serviços de cada município, os quais têm sido contemplados pela Administração Municipal.

Fonte: PMJM

Polícia Federal pretende concluir as mais de 200 investigações sobre políticos no STF até o fim do ano, diz diretor-geral

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, afirmou nesta quarta-feira (10) que a corporação pretente concluir até o fim deste ano as mais de 200 investigações sobre políticos e autoridades em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

A meta foi anunciada à imprensa após uma reunião do diretor com a presidente da Corte, Cármen Lúcia. No encontro, Segovia confirmou a ampliação, de 9 para 17, do número de delegados que atuam nos inquéritos.

Ele informou ainda que os inquéritos da polícia em andamento no STF não são só da Operação Lava Jato.

“A gente espera no menor prazo possível concluir essas investigações. Não são só inquéritos relativos à Lava Jato, são mais de 200 inquéritos hoje no STF, metade relativo à Lava Jato. Hoje já foram convocados 17 delegados para auxiliarem nessas investigações. A gente espera não só concluir os inquéritos no Supremo da Lava Jato, mas também todas as outras investigações que correm. A nossa meta é concluir todos os inquéritos hoje que estão no STF até o final deste ano”, afirmou Segovia.

Segundo os números mais atualizados, tramitam atualmente 273 inquéritos no STF, sendo 124 exclusivamente da Lava Jato. Segovia disse que foi ampliado também o número de peritos e investigadores que atuam nos casos, já que há muitos laudos e diligências a serem realizadas.

Segovia reconheceu “ambição” na meta de concluir todas as investigações neste ano, e disse que o resultado também é esperado por Cármen Lúcia. Indagado sobre eventual influência dessas investigações na disputa eleitoral neste ano, o diretor respondeu que a apuração das denúncias é responsabilidade da Polícia Federal.

“A Polícia Federal não teme a investigação, porque esse, na realidade, é nosso atributo maior, que é fazer a investigação e entregar para a sociedade, para o Poder Judiciário, todos os fatos relacionados a essas investigações. Qualquer conclusão que seja da investigação, tem que vir no final, realmente para a Justiça e para o público. Nós trabalhamos para o povo brasileiro e a gente quer justamente a conclusão dessas investigações, para o bem ou para o mal”, concluiu.

Caso Temer

Questionado sobre a meta de conclusão de um dos inquéritos, no qual o presidente Michel Temer é suspeito de beneficiar a empresa Rodrimar na concessão de terminais no Porto de Santos, Segovia evitou estipular um prazo para o término, dizendo que isso depende do delegado responsável, Cleyber Malta Lopes.

“Está em andamento o inquérito, foram enviadas as perguntas ao presidente Temer e a gente agora aguarda as respostas das perguntas, para que seja tomado um novo passo na investigação”, disse.

Fonte: G1

Prefeita e vereadores se reúnem e fazem balanço do ano de 2017

Acompanhada pelo seu vice Fabrício Lopes, pelos assessores Racíbia Alves de Moura (Jurídico), Luciana Carvalho (Fazenda), Cléres Roberto (DAE) e Will Jony Gomes Nogueira (Comunicação) e pela assessora da Secretaria de Educação, Maria Geralda de Castro (Gegê), a prefeita de João Monlevade, Simone Carvalho Moreira (PSDB), reuniu-se nesta terça-feira, dia 19, com 11 vereadores na sala de reuniões da ETA (Estação de Tratamento de Água), na localidade de Pacas. Representando o Legislativo municipal estiveram no encontro: Djalma Bastos, Cláudio Cebolinha, Fábio da Prohetel, Geraldo Antônio “Tonhão”, Lelê do Fraga, Léles Pontes, Pastor Carlinhos, Revétrie Teixeira, Toninho Eletricista, Sinval Dias e Vanderlei Miranda.

O encontro teve como objetivo apresentar o balanço do ano de 2017, tendo todos os participantes falado sobre algumas das realizações neste ano e expectativas para 2018. Em destaque a queda da receita do Município e os bloqueios de repasses de recursos aos municípios por parte do governo do estado, o que vem prejudicando financeiramente o município.

Simone disse que, apesar de todas as dificuldades, a Administração Municipal está conseguindo manter pagamentos de fornecedores e servidores em dia. Ela salientou que, neste mês de dezembro, a Prefeitura está pagando a segunda metade do décimo-terceiro (dia 20) e o pagamento do mês (dia 29), injetando quase R$ 9 milhões no mercado local.

Fonte: PMJM

Atividades da “Semana Cultural do Legislativo” se estendem até dezembro

As atividades da Câmara de João Monlevade alusivas à “Semana Cultural do Legislativo”, se estendem até o mês de dezembro. Com exposições de trabalhos, entrega de honraria e circuito de visitas à Fazenda Solar e ao Cemitério Histórico do município, as atividades têm como principal foco a celebração do bicentenário da chegada de Jean Antoine Felix Dissandes de Monlevade.

As ações têm início já nesta segunda-feira, dia 27, quando começa a exposição na sede do Legislativo de um projeto dos alunos da Escola Estadual Louis Ensch, referente a maquetes sobre locais de destaque de João Monlevade. Já na quarta-feira, 29, será feita a entrega da Medalha de Honra ao Mérito Cultural Leonardo Diniz Dias. Os agraciados são Grupo Tambores do Morro, Ministério Totalmente Dele –Escola de Música e Vanda Loureiro Gomes. Os nomes foram indicados por uma comissão formada pela diretora-presidente da Fundação Casa de Cultura, Claira Ferreira, pelo 1º Secretário da Câmara, vereador Guilherme Nasser e pelo jornalista Ulisses Nascimento, representando a imprensa.

Na quinta-feira, 30, será feita a entrega de certificado aos alunos dos projetos Câmara Mirim, Parlamento Jovem e aos participantes do Câmara da Melhor Idade, bem como às escolas e instituições participantes, com apresentação cultural. Ainda na próxima semana, haverá o ciclo de visitas de escolas que participam do projeto do bicentenário à Fazenda Solar e ao Cemitério Histórico. Estas visitas tiveram início este mês e finalizarão dia 15 de dezembro. Para dezembro é estudada uma palestra oferecida na Câmara Municipal pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre o novo marco regulatório, com explanação sobre captação de recursos público e privado para projetos culturais. É aguardado confirmação por parte do TCE.

Para o presidente da Câmara, Djalma Bastos (PSD), as ações são diversificadas e atendem a diferentes públicos. “Podemos homenagear aos que fazem a diferença na área cultural de nossa cidade, ofertar conhecimento às associações e ativistas culturais e concluir projetos de educação e cidadania que realizamos em parceria com escolas e instituições. São ações como estas que colocam a Câmara de João Monlevade em destaque regional. Agradeço ao empenho dos vereadores e servidores”, reforçou Djalma.

Fonte: CMJM